A Cia de Teatro Assisto Porque Gosto foi criada por Sílvia de Jesus Gerin e Antônio Roberto Gerin, em 16 de julho de 2008, com o objetivo de levar para os palcos os textos de Antônio Roberto Gerin. E foi assim que em 2009, a Assisto Porque Gosto montou seu primeiro espetáculo, Deus e o Diabo no Bar da Esquina, no teatro Goldoni, em Brasília, com direção de Humberto Pedrancini. Em 2011, foi a vez do espetáculo A Vizinha de Antônio, com direção de William Ferreira, no Teatro SESC Sílvio Barbato, também em Brasília. Em 2016, foram encenados, no Teatro Rotary, em Passos/MG, os espetáculos O Praquê do Marido e Vinho Tinto Seco, ambos com direção de Antônio Roberto Gerin.

Desta forma, a Assisto Porque Gosto quer sempre convidar o público para assistir a seus espetáculos, cuja concepção é tratar com leveza e graça os conflitos cotidianos do ser humano, sem fazer concessões às suas dores e alegrias. Para tanto, a Assisto Porque Gosto propôs pensar o teatro como um produto cultural cuidadosamente construído, equilibrando-se artisticamente entre a reflexão e a diversão.

A Cia de Teatro mantém também seu blog, onde disponibiliza, semanalmente, resenhas sobre teatro e cinema, além de poesias e outras publicações.

Antônio Roberto Gerin

Estreou, no palco, como autor de teatro em 2005, Rio de Janeiro, com a montagem do espetáculo Uma Última Cena para Lorca, no Centro Cultural da Justiça Federal e no Teatro Nelson Rodrigues, da Caixa, o que o levou a ser indicado ao Prêmio SHELL, na categoria Melhor Autor. Escreveu ainda O Filho de Ninguém, 2004, 3ª colocação Prêmio Funarte Centro-Oeste/2005, Vem Comigo Ver o Rio Descer, 2004, Monólogo a Três, 2004, Vinho Tinto Seco, 2005, Amado, Jorge, 2005, selecionado no Concurso de Dramaturgia Brasil em Cena/2009, CCBB, Rio de Janeiro, Deus e o Diabo no Bar da Esquina, 2008, contemplado com o Prêmio Funarte de Bolsa Estímulo à Dramaturgia/2007, Sopa de Legumes, 2008, A Vizinha de Antônio, 2010, Pátria Amada, Brasil!, 2014, Bom Apetite, Amor, 2016, e Sebastiana, 2016. E ainda os esquetes O Patrão do Empregado, O Praquê do Marido, O Pai da Filha, O Vendedor do Comprador, O Cachorro da Patroa, A Fotografia do Fotógrafo, A Mulher do Marido, O Interrogatório do Ladrão,todos escritos em 2016, e ainda O Ciúme da Ciumenta e O Casamento do Marido, escritos em 2017. Teve ainda seu conto O Empilhamento na relação dos finalistas do Concurso Internacional Guimarães Rosa, 1997, promovido pela RFI – Rádio França Internacional. Co-produziu com JMoreno Produções Artísticas Ltda, no Rio de Janeiro, em 2005, o espetáculo Uma Última Cena para Lorca, com direção de André Paes Leme. Produziu, em Brasília, os espetáculos Deus e o Diabo no Bar da Esquina, em 2009, e A Vizinha de Antônio, em 2011, e em Passos/MG produziu e dirigiu O Praquê do Marido e Vinho Tinto Seco, em 2016.